Voltar ao Início [ Visit the old site ] contact@ifp-fip.org
Noticias |

Reforçar a cooperação entre as OSC para transformar em realidade os ODS (artigo baseado no workshop da SDG Watch sobre a construção das Redes ODS de OSC – 20 de março, Bruxelas)

Com a Agenda 2030 e o ODS e sua abordagem universal, a cooperação entre as OSC tornou-se mais importante do que nunca. Como a agenda combina tópicos ambientais, sociais, econômicos e outros numa nova escala, e incita a mudanças políticas a nível local, nacional e internacional, as OSC devem encontrar novas formas de parceria e de intercâmbio. Isto suscita, tanto hipóteses de abordagens políticas criativas e holísticas como lutas para encontrar prioridades comuns e estratégias de defesa. Como uma agenda intergovernamental, a principal responsabilidade da implementação das ODS cabe aos governos.

Além disso, a mudança política necessita de legitimação pública. Para pressionar com sucesso os governos para implementarem as ODS, é crucial tornar as ODS relevantes para o público. Neste contexto, o FIP participou do workshop SDG Watch para parceiros nacionais em 20 de março em Bruxelas.

O workshop incluiu três sessões diferentes para abordar estes desafios:
- Construir Redes ODS
– Lobby pelas ODS a nível nacional
– Mobilização do Público

Deirdre de Burca representou o FIP como co-facilitadora de uma sessão sobre “Construção de Redes OSC para ODS”, em conjunto com Carlos Garcia Paret da Futuro en Común, Espanha. O objetivo da sessão foi usar o que foi aprendido nas discussões em grupo para criar um manual sobre como construir uma aliança transectorial das OSC.

Deirdre apresentou especialmente algumas lições aprendidas da aliança transectorial europeia de OSC “SDG Watch Europe”. Primeiro, destacou os valores e os princípios das alianças. A criação de um estatuto de membro à qual as CSO que se associem à aliança devem subscrever, pode ser uma ação concreta. Em segundo lugar são necessárias, estratégias conjuntas, falar a uma só voz, o reconhecimento pelas instituições alvo como um interlocutor importante e a sensibilização do trabalho uns dos outros. No entanto, o financiamento, a dinâmica, a falta de secretariado permanente, a coordenação e a reunião podem ser desafios difíceis de resolver.

Em seguida, Carlos Garcia Paret apresentou a Futuro en Común em Espanha (Encontre AQUI a sua apresentação). A Futuro en Común é uma coligação intersetorial espanhola, 40 organizações e plataformas de vários setores. A organização está envolvida no diálogo político, difícil no início mas agora com posições claras. Os consensos alcançados até agora incluem:
a. Sentido partilhado sobre o que é uma “agenda transformacional”
b. Desenvolver documentos de posição
c. Diálogo com o governo / contexto político nacional
d. Sensibilização e capacitação de OSC e cidadãos
e. Ampliação da rede e diálogo com outras redes
f. Localização de ODS
g. Articulação ao nível UE

No final, Elaine Nevin (ECO UNESCO Irlanda) apresentou Coalition 2030 na Irlanda (apresentação). A Coalition 2030 representa mais de 100 organizações, que sensibilizam, envolvem pessoas em todo o país para tornar a Agenda 2030 uma realidade, apoiando o governo na implementação da agenda de 2030. Uma das claras exigências de defesa da Coalition 2030 é o Plano de Ação Nacional, um Fórum de Monitorização de ODS inclusivo, maior Financiamento para Desenvolvimento para apoiar a prestação de ODS.

Um resumo de temas/tópicos que emergiram da discussão em grupo incluiu os desafios, assentes principalmente no trabalho voluntário e no tempo dos membros, assim como na criação de ligações entre as diferentes OSC e a falta de estrutura formal e de financiamento. Os diferentes benefícios obtidos estão ligados à aprendizagem mútua; à superação de desafios em conjunto; ao agrupamento de competências; à partilha de informação e ao ser uma voz independente.

Finalmente, um resultado óbvio foi que o sucesso das coalizões também depende dos contextos nacionais (por exemplo, o papel de apoio ou desafio das ONG).

Deirdre (FIP) e Pedro (ONGD, a plataforma Portuguesa e membro do FIP) vão colaborar para produzir um manual sobre a criação de uma aliança transectorial de OSC nos próximos meses.